Associadas no combate a COVID-19

FUNDAÇÃO ABRINQ PELOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - Amamentação em tempos de pandemia

not 29 03 2021 1

Fundação Abrinq dá dicas de como se prevenir e proteger o bebê durante a Covid-19

A amamentação é um dos momentos mais importantes para aumentar o laço afetivo entre mãe e filho. Além da troca de amor e carinho natural entre a mulher e o bebê, traz inúmeros benefícios para a criança.

O leite materno é o alimento mais completo que um bebê pode receber desde o seu nascimento, protegendo-o de inúmeras doenças e auxiliando em seu crescimento.

O tema aleitamento materno normalmente já desperta a curiosidade das mulheres. Em tempos de pandemia, não podia ser diferente.

Diante deste novo cenário de pandemia em função da Covid-19, a Fundação Abrinq traz para as mamães, dicas de como se prevenir e proteger o bebê na amamentação.

Amamentação durante a pandemia

As mães podem – e devem – amamentar neste período. A amamentação exclusiva é recomendada até os seis primeiros meses de vida e complementada até pelo menos os 2 anos de idade. Isso é importante porque o leite materno fornece anticorpos que protegem os bebês contra muitas infecções.

Estou com suspeita ou confirmação de Covid-19. Posso amamentar meu bebê?

“Tudo vai depender do estado geral dela. Se ela estiver bem, se sentindo disposta ou não tenha nenhuma complicação da doença, ela pode e deve amamentar seu bebê”, esclarece a Dra. Maria Inês Rosselli Puccia, doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de São Paulo (USP), enfermeira, docente, pesquisadora e consultora em saúde materno-infantil, bem como autora do blog Preparo Materno.

Não há evidências, até o presente momento, da presença do vírus no leite materno. “A transmissão se dá pelas vias respiratórias, então nesse sentido não se contraindica o aleitamento materno para a mulher que esteja com suspeita ou confirmada com a doença”, ressalta a pesquisadora.

Para a Dra. Maria Gomes, médica e pesquisadora do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira/ FIOCRUZ, “os benefícios da amamentação superam qualquer risco de contágio mãe e bebê, tanto para mães assintomáticas, quanto para as que apresentem os sintomas da Covid-19”.

O bebê está com suspeita ou com os sintomas do Coronavírus. Continuo amamentando?

“Sim. A não ser que o bebê tenha outra recomendação clínica, o indicado é que ele continue recebendo o leite materno”, enfatiza a médica e pesquisadora da FIOCRUZ.

Como se prevenir e proteger o bebê. Siga as dicas:

- É indispensável o uso da máscara cobrindo totalmente o nariz e a boca. O indicado é trocá-la a cada nova mamada, ou quando sentir que ela está úmida.

- É necessária a lavagem das mãos e a utilização do álcool gel 70% sempre que for manter contato com o bebê.

- A mãe deve usar uma roupa limpa ao segurar a criança.

- Evite falar ou tossir durante o aleitamento.

- Evite tocar as mãos do bebê, pois ele pode levá-las à boca.

- É recomendado evitar a circulação em locais públicos ou ambientes com aglomeração de pessoas.

- Se a mãe é assintomática ou apresenta sintomas da Covid-19, os cuidados devem ser os mesmos.

Quer mais informação? A Fundação Abrinq tem um e-book Amamentação: um Guia para toda a Família, com outras dicas e orientações especiais. Faça o download gratuito aqui.

Fonte: Fundação Abrinq