Associadas no combate a COVID-19

FUNDAÇÃO ABRINQ - Volta às aulas presenciais: prevenção e cuidados com as crianças

not 31 01 2022 2

O início do ano letivo chegou e, em muitos locais do Brasil, a volta às aulas presenciais voltaram a ser obrigatórias. A vacina contra a COVID-19 já está disponível para as crianças de 5 a 11 anos. Enquanto a imunização infantil é realizada aos poucos, ainda é preciso ter bastante cautela na retomada dos estudos em ambiente escolar.

A Fundação Abrinq conversou com Ricardo Queiroz Gurgel, membro do Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), que deu importantes dicas aos pais e responsáveis sobre os principais cuidados com a saúde das crianças no início de ano letivo.

Na volta às aulas presenciais, quais as recomendações médicas como prevenção para as crianças?

É importante ter em mente que, o fato de ter tomado ou não a vacina contra a COVID-19, não pode interferir na necessidade de prevenção e de cuidados pessoais para se evitar a transmissão do vírus entre as pessoas. É fundamental que a criança continue usando a máscara.

Importante também higienizar as mãos, principalmente, pois entram em contato com substâncias locais contaminadas e as crianças as levam depois para o nariz, olhos e boca, o que pode provocar uma contaminação. Água e sabão ou álcool gel 70% são eficientes contra a proliferação de diversos vírus, não apenas do Coronavírus. É importante também manter sempre limpos, os objetos, roupas e brinquedos utilizados pela criança.

As crianças devem evitar as aglomerações, onde o risco de transmissão é sempre maior, independente se já tomou ou não a vacina. É claro que aquelas já imunizadas estão mais protegidas individualmente e também são menos passíveis de transmissão. É importante ressaltar que a vacina não exclui totalmente a possibilidade de transmissão e nem de desenvolver a doença, mas reduz o risco.

O que os pais ou responsáveis devem estar atentos e observar no ambiente escolar?

O principal é garantir que o seu filho esteja acostumado e fazendo o uso correto das máscaras. Esta é a principal medida de proteção.

É preciso orientá-las sobre a forma correta de utilização, que esteja sempre ajustada ao rosto, cobrindo o nariz e a boca e garantir que, em qualquer situação, estejam com elas.

Este exemplo começa dentro de casa, a partir do exemplo dos pais. Além das máscaras, orientar para que não fiquem muito próximas de tantas pessoas, manterem-se isoladas de outras crianças que não aquelas da sua sala.

Que importantes hábitos das crianças são importantes de serem observados pelos pais e que contribuem para uma vida saudável?

Uma boa alimentação, prática de exercícios e qualidade de sono. Tudo isso contribuirá para a saúde das crianças e fará com que fiquem mais protegidas. Uma alimentação balanceada, com uma reposição de líquidos suficiente para que fiquem bem hidratadas durante todo o dia.

Quanto mais variedade na dieta da criança, melhor será para ela. Isso é muito mais eficiente em termos de proteção do que a ingestão de remédios para aumentar a imunidade delas e, assim, evitar diversas doenças.

Além da vacina da COVID-19, é preciso manter a carteira de vacinação atualizada. Por que é importante?

Isso é um problema muito sério, uma vez que as coberturas vacinais para doenças que já estavam erradicadas estão muito baixas, em razão de todas as dificuldades que as pessoas estão tendo de ir ao posto e ao local de vacinação, pois as pessoas estão restringindo as saídas de casa. Mas é preciso que as crianças recebam todas as vacinas infantis necessárias, pois pode haver o ressurgimento de doenças que estavam erradicadas, caso não haja uma cobertura vacinal muito boa.

O sarampo ressurgiu aqui no Brasil, depois de quase dez anos erradicado e a sua transmissão é muito rápida. Mas existem outras doenças (difteria, coqueluche e tétano) que, se não houver uma cobertura vacinal adequada, poderão retornar também.

É preciso que as pessoas tomem a vacina e mantenham o seu cartão vacinal atualizado.

Existe um modelo de máscara indicada ao uso das crianças?

Os modelos que possuem uma vedação maior não são indicados para crianças muito pequenas. As máscaras cirúrgicas de tamanho infantil podem ser utilizadas e são eficientes. É importante ressaltar que a máscara deve ser trocada regularmente, ao longo do dia. O ideal é de duas a quatro horas. A questão da substituição da máscara é muito importante. Procure enviar na mochila da criança, uma quantidade suficiente para a troca ao longo do período.

Quais os sintomas principais de cada uma destas doenças na criança: gripe, resfriado e COVID-19?

As três podem dar um pouco de coriza. O sintoma mais importante e que os pais devem estar atentos - e que deve afastar a criança da escola - é a presença de febre.

O que caracteriza a COVID-19 são os sintomas gerais, como a moleza no corpo, a tosse irritativa, estes são os sinais mais importantes relacionados a ela. A influenza também dá um mal-estar geral. Para se fazer a distinção entre elas, o indicado é a testagem.

Desde o início da pandemia, em 2020, a Fundação Abrinq produziu uma série de matérias sobre os impactos da COVID-19. Confira outras matérias como esta:

COVID-19 e as crianças: quais sintomas e como protegê-las 

COVID-19: saiba como a variante Delta pode afetar as crianças e os adolescentes 

Especialista fala sobre a saúde mental de crianças e adolescentes durante a pandemia 

Amamentação em tempos de pandemia

Fonte: Fundação Abrinq