Outras Notícias

Casa da Cultura de Paraty celebra 10 anos em março

not fundacao 25 3 2014 3Instalada num casarão colonial fincado no centro histórico da cidade, a Casa da Cultura de Paraty completa 10 anos de atividade, depois de abrigar mais de 400 eventos - entre eles a Flip - Festa Literária Internacional de Paraty e o Festival Internacional de Fotografia Paraty em foco - e promover 113 exposições, além de festivais, shows e outros eventos, que receberam mais de 550 mil visitantes. Para celebrar a data, comemorada hoje (21), a Casa preparou uma agenda especial que mescla arte, música, cinema e teatro, e pretende atrair, sobretudo, moradores, mas sem deixar de funcionar também como um ponto de encontro e lazer para turistas.

“Nos casarões de Paraty, as pessoas costumavam se encontravam para conversar, comer, tomar o café da tarde. Porque na casa do paratiense a tradição é manter a mesa sempre posta. Pois é assim que enxergamos a Casa da Cultura hoje, como se ela fosse a casa de todos nós, com acolhimento e fartura traduzidos numa programação cultural capaz de agradar a todos”, afirma Cristina Maseda, atual presidente da Associação Paraty Cultural, ONG responsável pela gestão da Casa da Cultura.

Além da agenda semanal fixa, que conta com atividades gratuitas de quinta a domingo, a Casa da Cultura de Paraty comemora seu aniversário com um novo ciclo de exposições. Já estão abertas para visitação as mostras João Baptista Martins – Saporem, que reúne uma série de dobraduras e poemas ilustrados do artista popular local que dá nome à exposição; e Paraty por Tom Maia - Uma viagem pela obra de Tom e Thereza Maia, que apresenta registros da história da cidade feitas pelo casal – ele, por meio de desenhos com a técnica bico-de-pena, documentou com precisão paisagens e os monumentos de Paraty e ela, publicou quase 50 livros, sendo cinco deles sobre Paraty.

A principal exposição será inaugurada hoje (21). Esta é a vida que eu quis – personagens de Paraty apresenta 42 retratos feitos pela jornalista e fotógrafa paulista Nair Benedicto, que tem seu trabalho presente em acervos como os do Museu de Arte Moderna de Nova York, do Museu de Arte Moderna em São Paulo e no Rio de Janeiro. As fotos em preto e branco foram feitas no início dos anos 1970 e emolduram os rostos de paratienses singulares, reforçando a relação de Nair com a cidade – onde mantém uma casa até hoje.

“Essa série de retratos foi clicada numa atmosfera que já não existe mais, e tem o intuito de fortalecer a memória coletiva da cidade”, explica a fotógrafa. “Cada morador teve a liberdade de escolher como queria ser fotografado, as roupas que gostaria de vestir e em que paisagem a foto deveria ser feita. Foi interessante constatar, por exemplo, que o negro Zezeca, personagem conhecido na cidade, quis se fantasiar de índio”, contou.

Nesse mesmo dia será lançado o catálogo da exposição, com projeto do designer gráfico Ricardo Tilkian, que traz as fotos e textos de personalidades paratienses, como o historiador Diuner Melo. “Este catálogo é a celebração de uma nova fase da Casa da Cultura de Paraty e fonte de uma enorme satisfação para a atual diretoria, que assumiu o compromisso de manter um diálogo constante entre a tradição cultural local e as influências artísticas externas. Assim, o catálogo é uma forma de guardar e preservar este valioso acervo de um registro histórico dos anos 1970, importante momento cultural na vida da cidade”, acredita Cristina Maseda, gestora da Casa.

No final do mês, dia 29, o recém-reformado palco da Casa vai receber a remontagem do espetáculo Um passeio na História, idealizado pela Companhia Imperial. Escrita pelo historiador Diuner Mello, a peça nasceu como um tour teatral em Paraty, convidando o público que caminha pelo Centro Histórico a acompanhar o elenco que conta de forma lúdica a história da cidade. “Nessa remontagem, o espetáculo ganha flexibilidade e passa a ser encenado pela primeira vez no palco”, destaca Bernadete Passos, diretora cênica da Companhia Imperial. A peça também ganhou uma nova produção musical, que inclui canções e marchinhas de Paraty. A programação da Casa da Cultura de Paraty já está disponível no Facebook: www.facebook.com/casadaculturaparaty.

Renovada, Casa da Cultura de Paraty ganha novos espaços após reforma

Logo que assumiu a gestão da Casa, em junho do ano passado, Cristina acompanhou de perto a renovação do espaço, apoiada pela Fundação Roberto Marinho. A fachada foi pintada; o palco do auditório foi rebaixado, ganhou cortinas e coxias novas e roldanas para o cenário. As áreas de circulação e convívio foram ampliadas, garantindo mais conforto para os visitantes; salas que antes eram utilizadas para fins administrativos foram incorporadas ao ambiente expositivo; e o antigo café, acanhado, transformou-se no Café Cultura, mais charmoso e integrado ao pátio principal da construção por uma nova abertura.

“A criação da Casa da Cultura de Paraty representa um marco para a cidade e contribui para a preservação e difusão de sua história e cultura. Além de apresentar uma programação gratuita para moradores, tornando-se um ponto de encontro e convívio, a Casa coloca Paraty no circuito de eventos importantes como a Flip, que nasceu lá, atraindo também turistas para a região”, afirma Lucia Basto, gerente geral de Patrimônio e Cultura da Fundação Roberto Marinho.

A Casa da Cultura de Paraty conta com o apoio da Fundação Roberto Marinho e da Prefeitura de Paraty, além de ter o patrocínio das Organizações Globo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.


Fonte: Fundação Roberto Marinho