Outras Notícias

10 dicas para ter propostas da sua organização aprovadas em editais

not 02 07 2020 6

Palestra durante o Festival ABCR 2020 apresentou 10 dicas que podem aumentar as chances de uma organização ser selecionada em editais. De 10% a 20% das propostas são desqualificadas por estarem fora dos critérios

Os editais são uma oportunidade democrática para que as organizações do terceiro setor consigam parceiros e investimentos para desenvolver projetos. No primeiro dia do Festival ABCR 2020, o tema foi abordado na palestra ’10 dicas sobre editais: como aumentar as chances de aprovação da sua proposta’.

Ministrada por Patrícia Lobaccaro, que já foi CEO da BrazilFoundation e hoje é CEO da Mobilize Global, a palestra reuniu dicas que podem levar à aprovação das propostas e os principais erros cometidos por organizações na hora de enviá-las.

1 – Crie uma rotina para buscar por editais

Reserve um horário diário para fazer buscas em sites que publicam editais, como o Prosas. “Às vezes você encontra um edital que dialoga com a sua instituição em cima da hora. Você perde a oportunidade de se inscrever ou inscreve uma proposta com problemas”.

2 – Leia as regras do edital 

“Quando estava na BrazilFoundation, recebia milhares de projetos que estavam fora das regras estipuladas no edital. Se possível, imprima o edital e grife todos os itens importantes. Foque no que o edital se propõe a financiar e o que não”.

Ela ressalta que de 10% a 20% das propostas recebidas são desqualificadas por estarem fora dos critérios.

3 – Organize os documentos

Existem alguns documentos padrões que são solicitados em todos os editais, como o estatuto da organização, o CNPJ e as certidões negativas. Busque deixar a documentação em dia.

4 – Atenção nas mídias sociais

É cada vez mais comum que financiadores visitem as páginas sociais da organização antes de decidirem se vão financiá-la ou não.

“O histórico de atualização destas páginas indicam se a ONG tem um planejamento comunicacional ou se é negligenciado. O engajamento do público também é analisado. Não existe desculpa para não ter uma página atualizada. Os doadores também querem ter acesso à transparência”.

5 – Ganhe impulso na largada: título e resumo do projeto apresentado

Em um jornal, você lê a chamada das matérias e quanto mais atrativa for, maiores são as chances de ler a matéria toda. Você não chega ao final se não chamou atenção, e o mesmo vale para as propostas.

“Você não é desqualificado se o título for ruim, mas perde uma oportunidade de se destacar. O título e o resumo vão determinar o interesse do avaliador. A pessoa está lendo dezenas de propostas ao longo dia, se o seu for o último, o título e o resumo bem feitos podem fazer a diferença e chamar a atenção para uma análise mais adequada”.

O resumo precisa ser um pitch de elevador. Dizer tudo que for importante de forma clara e sucinta em 30 segundos. Mostrar o porquê de o projeto ser único, a importância, onde será realizado, para quem e como será feito. Erros frequentes nesta etapa incluem um ‘copia e cola’ das atividades do projeto.

6 – Contextualizar

Tente ser mais específico na hora de contextualizar o problema que a proposta irá resolver ao invés de usar apenas os dados gerais. O que é específico em relação ao seu projeto ou território de atuação? Ajuda quando o público-alvo tem o papel de agentes transformadores. É considerado um projeto melhor quando existe o engajamento dos membros da comunidade.

7 – Cuidado com o orçamento

Essa é a etapa que mais desqualifica. Falta de coerência entre o orçamento solicitado com as atividades descritas ou poucos detalhes sobre como o valor será usado vetam diversas propostas.

8 – Entenda o mindset do financiador

Busque saber de onde o financiador está vindo e o que é importante para ele. A linguagem e os critérios são diferentes para cada financiador. Tire um tempo para pesquisar sobre ele.

9 – Aspectos subjetivos: capricho

O financiador está buscando, acima de tudo, um parceiro. Projetos mais caprichados dizem que a prestação de contas será feita de forma correta. A falta de detalhes leva a uma interpretação de projetos preguiçosos.

10 – Alma da proposta

Por trás do CNPJ, existe uma pessoa. A decisão de doar está ligada à emoção. Se o edital pede fotos, mostre os doadores e os beneficiários em fotos que emocionem. Na missão ou no histórico insira um storytelling.

“Já recebi projetos que estavam ruins, mas o storytelling do histórico era de chorar. Mesmo estando fraco acabamos realizando uma visita. Já observei projetos fracos com mídias sociais incríveis, abrindo espaço para o desejo de conhecer”.

Apesar de notar uma diminuição nas oportunidades de editais, devido à pandemia, Patrícia considera que é uma tendência de curto prazo. “Os recursos existem e o cenário é desafiador, mas não é motivo para desistir”.

Fonte: Observatório do 3º Setor